Terça, 23 Fevereiro 2021 20:51

PÓS COVID-19 | Serviço de fisioterapia respiratória é oferecido para pacientes em recuperação Destaque

Escrito por Aymê Tavares
PÓS COVID-19 | Serviço de fisioterapia respiratória é oferecido para pacientes em recuperação Ascom/Sesau

Dados do MS (Ministério da Saúde) mostram que, mesmo após a cura da COVID-19, cerca de 40% dos pacientes continuam com algum tipo de sintoma ou desenvolvem novos problemas ligados à doença depois que deixam as UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) e enfermarias. Com o objetivo de garantir a recuperação completa desses pacientes, mais uma medida importante está sendo colocada em prática em Roraima.

Trata-se do Serviço de Assistência Fisioterapêutica Cardiovascular e Pneumofuncional, implantado na CMECM (Clínica Médica Especializada Coronel Mota). O serviço é direcionado aos pacientes em tratamento pós-COVID-19 que necessitam de assistência devido às sequelas provocadas pela doença.

O serviço foi implantado em dezembro de 2020 e é realizado de segunda a sexta-feira, pela manhã e à tarde. O acesso às sessões é possibilitado de acordo com a necessidade de cada paciente, conforme o grau de complexidade.

Segundo a coordenadora e fisioterapeuta, Thyene Almeida, são atendidos os pacientes que receberam alta da COVID-19 e, após passarem por avaliação com o médico infectologista, pneumologista ou cirurgião torácico, são encaminhados para reabilitação pulmonar com fisioterapeuta, devido às sequelas deixadas pelo vírus.

“O tempo de reabilitação dos pacientes vai depender da gravidade das sequelas, da idade e da presença de outras comorbidades, por isso é importante que os pacientes que já tiveram COVID-19 fiquem atentos a qualquer agravo, principalmente os pacientes que passaram pela UTI”, esclareceu.

Para a ginecologista Márcia Monteiro Rodrigues, que trabalha na Maternidade trazendo vidas ao mundo, passar por uma internação por conta da COVID-19 é como nascer novamente e a fisioterapia como forma de tratamento para as sequelas tem sido fundamental na recuperação completa. Ela teve mais de 75% do pulmão comprometido e ainda na UTI recebeu o acompanhamento de fisioterapia. Hoje, já percebe as mudanças após iniciar a fisioterapia pulmonar.

“Faz pouco mais de um mês que eu estou fazendo fisioterapia e eu senti uma melhora muito grande na minha parte muscular. Eu consigo escrever o meu nome, falar por mais tempo, me canso menos e não durmo toda hora por conta do cansaço excessivo. Agora já consigo fazer minhas coisas em casa e gradativamente estou conseguindo voltar à normalidade”, complementou.

Para os pacientes encaminhados pelo HGR por meio do NIR (Núcleo Interno de Regulação), o protocolo de reabilitação é construído a partir de uma avaliação detalhada feita por um fisioterapeuta, com a realização de testes e escalas para avaliar a função respiratória. Assim, a equipe consegue estabelecer os objetivos e traçar condutas precisas.

“Na fisioterapia respiratória ambulatorial são realizadas técnicas de higiene brônquica, prevenindo e tratando as complicações pulmonares por meio de manobras e técnicas específicas de expansão pulmonar, além dos agravos cinéticos funcionais pela permanência nas UTIs”, ressaltou a fisioterapeuta Thyene Almeida.